top of page

Uma Santa Semana

Após dois anos sem reunir os paroquianos, nestes últimos dias pudemos celebrar novamente os mistérios da Salvação de Cristo e a comunidade voltou a se encontrar na grande Semana da Igreja.


Domingo de Ramos


Recordamos a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém e uma das vitórias que vem da fidelidade ao projeto de Deus até a cruz e ressurreição. O rei, humilde, pobre, montado num jumento , é o rei da paz, da justiça e solidariedade que vem reacender a esperança dos excluídos, marginalizados, pobres e oprimidos.


A bênção dos ramos foi celebrada, tradicionalmente, na Igreja São Benedito, seguindo em procissão até a missa campal no Jardim da Igreja Matriz.


Neste ano, também compartilhamos da alegria do Padre Anderson em celebrar sua primeira Semana Santa, após ser ordenado sacerdote.



Sete Dores de Maria


Na Segunda-feira Santa, meditamos as Sete Dores de Maria Santíssima.


Aos pés da cruz, nos unimos à Nossa Senhora para participar de sua caminhada junto com Jesus e de suas dores, desde o início da vida do Menino Jesus até a sua sepultura. Para permanecermos sempre em pé, como ela, refletimos seu sofrimento e aprendemos a confiar no cuidado de Deus quando tivermos que enfrentar os nossos sofrimentos. Com ela sofremos, com ela venceremos!

Após a celebração, saímos na procissão do Depósito, enviando as imagens do Senhor dos Passos para o Recanto Santa Luzia e de Nossa Senhora das Dores para a Igreja São Benedito.



Terça-feira Santa


O dia começou com a visita do Padre Anderson à APAE, a convite da entidade, para conhecer os trabalhos realizados pelos alunos e profissionais, também respondeu perguntas e conversou sobre a Semana Santa.


Nesse tempo em que caminhamos com Cristo para sua Paixão, para vivermos com ele a sua ressurreição, à luz da fé cristã, somos convidados a promover uma vida melhor, do jeito que Jesus nos ensinou. Refletimos sobre a necessidade de seguir caminhos em favor do humanismo integral e solidário e a buscar a pedagogia do diálogo e da solidariedade.


Nesta terça feira da Semana Santa, continuamos a buscar os ensinamentos de Jesus e de sua mãe, Maria Santíssima, para vivermos com sabedoria, compreendendo que devemos educar com base no amor para a vida fraterna. À noite, meditamos o encontro da Virgem Maria com seu filho Jesus.



Quarta-feira Santa

Celebrar a “saúde e a vida”, em busca de conforto, alívio espiritual e físico foi o convite aos enfermos presentes na missa desse dia.


Quando nos revestimos do amor de Deus e n’Ele confiamos, sabemos que Ele está sempre nos orientando e nos ensinando a viver com fraternidade, pois Deus nos criou para sermos felizes.


Nessa quarta-feira da Semana Santa, rezamos pela primeira vez em nossa paróquia o Ofício das Trevas, uma cerimônia muito antiga na história da Igreja. Através dele, nós revivemos os sofrimentos de Jesus durante sua Paixão.


O candelabro de 15 velas, em forma de triângulo, representa a Santíssima Trindade: Pai, Filho e Espírito Santo.


Conforme o Ofício é rezado, as velas vão se apagando. Esse apagar das luzes simboliza o luto da Igreja e a escuridão que envolveu a terra na morte de Jesus.


No topo, a vela branca representa Jesus;As outras quatorze velas amarelas representam: As 3 três Marias, a mãe de Jesus, Maria Madadalena e Maria de Cleófas, e os 11 discípulos. Mas por que 11 discípulos? Judas foi o traidor, não acompanhou o sofrimento de Jesus.


Ao final do Ofício, com toda a Igreja escura, o barulho das matracas - um instrumento de madeira que produz um som oco, substituindo a festividade dos sinos - simboliza o terremoto, a perturbação dos inimigos, as trevas da morte de Jesus.


O centro desta celebração é o Ambão – a Mesa da Palavra. É para o Ambão que a nossa atenção deve estar voltada.



O Tríduo Pascal

A grande celebração da Igreja que se inicia na quinta-feira santa e culmina na alegria da ressurreição de Jesus, na vigília pascal de sábado.


Ceia do Senhor e Lava-pés


O Tríduo Pascal é iniciado com a celebração da instituição da Eucaristia. Esta noite lembra o dia em que o povo de Israel celebrou a Páscoa comendo os cordeiros imolados antes de partir para a Terra Prometida. Agora, comemos a Páscoa do Cordeiro único, que instituiu o sacramento pascal definitivo, uma vez que nossa vida é uma contínua peregrinação para a Jerusalém celeste.


Nesta noite do amor, celebramos a Ceia e a entrega do Senhor, depois de ter ensinado os seus a lavarem os pés uns dos outros. Nossa Paróquia convidou, para a cerimônia do Lava-pés, representantes da educação: familiar, religiosa e escolar.



Paixão do Senhor

Às 15h, nos reunimos na Igreja Matriz para a solene Ação Litúrgica e Adoração da Cruz. "O convite da Igreja nesta Sexta-feira Santa é para nos colocar diante do Crucificado em adoração, pedindo a Deus o dom da paz. É a única celebração do ano em que não há a Eucaristia, pois todo o momento é dedicado à Paixão e à morte de Jesus." (texto de VaticanNews)



Via Sacra e Procissão do Enterro

À noite, a tradicional encenação da Paixão deu lugar ao Teatro das Sombras - a Via Sacra encenada pelo grupo de Jovens Presença Viva, em que trouxeram algumas reflexões das 14 estações para a atualidade, lembrando ainda a Campanha da Fraternidade deste ano "Fraternidade e Educação" - sendo encerrado com a reflexão do padre Anderson e a procissão do Enterro.


Durante a procissão, pudemos acompanhar o Canto da Verônica - "um ritual que consiste em uma mulher, que transporta um véu no qual está impressa uma representação da face de Jesus Cristo, entoar um responsório e ao mesmo tempo em que entoa o canto, desenrola e exibe a estampa da face de Jesus. O canto de Verônica é um trecho do Livro das Lamentações de Jeremias, referente ao versículo 12 do primeiro capítulo e pode ser entoado em latim ou em português." (texto de a12.com) Confira a letra obtida no portal a12.com:


Canto da Verónica (latim)

O vos omnes

Qui transitis per viam,

Attendite, et videte

Si est dolor similis sicut dolor meus.

Versus :

Attendite, universi populi

Et videte dolorem meum.


Canto da Verônica (português)

Oh vós todos

Que passais pela via,

Vinde e vede:

Se há dor semelhante à minha!

Verseto:

Atentai, povos do mundo,

E vede a minha dor.



"Vivemos tempos difíceis. O mundo cada vez mais distante de Deus, sofre, à duras penas, os males de doenças, guerras, desilusões, promessas não cumpridas e esperanças equivocadas. Em outras palavras, o mundo parece estar em uma profunda escuridão que aparentemente não tem fim.


Contudo, nós sabemos que existe um caminho que nos levará direto para a luz, um caminho de vida, e vida em abundância. Talvez, todos nós já o conheçamos, mas nesta noite relembramos o tamanho do amor que Ele tem por cada um de nós.


Jesus Cristo, a razão da nossa fé, o motivo único do nosso viver, quer nos encontrar de maneira pessoal com cada um nesta noite especial." (trecho do roteiro da Via Sacra)



Vigília Pascal


No Sábado Santo, a Igreja permanece em silêncio, na espera da ressurreição do Senhor.


Na celebração em que a vida vence as trevas da morte e nos traz a luz, ressoam no céu e na terra e em cada coração a melodia da eternidade, do amor que não tem fim. Esta Eucaristia coroa a grande vigília reavivando em nós a história da Salvação e renovando as promessas batismais. Demos graças ao Pai pela vitória de Cristo!


Às 20h, nos reunimos na Igreja Matriz, escura, nessa liturgia rica nos sinais, nos gestos e nos símbolos. O Círio Pascal, uma vela muito grande, é aceso no fogo novo, trazendo nele o ano que estamos vivendo e duas letras do alfabeto grego - Alfa e Ômega, que representam Jesus, nossa Luz, Princípio e Fim de tudo e de todos, Senhor do tempo e da história!



A Vigília Pascal tem quatro partes fundamentais: Liturgia da Luz, da Palavra, do Batismo e da Eucaristia.


A Palavra de Deus recorda toda caminhada do povo de Israel, aguardando o Messias, e apresenta Jesus como o verdadeiro Messias, Salvador. O Povo de Deus, pede a intercessão dos santos para que continuem perseverantes no seguimento de Jesus, que trouxe ao mundo uma Boa Notícia e alimenta-se da Eucaristia, remédio santo que cura as enfermidades do corpo e da alma.



É comum crianças e adultos serem batizados nesta celebração, quando todos renovam sua fé e confiança no Deus Altíssimo.



Neste ano não houve batismo durante a Vigília, porém foi feita a renovação das Promessas Batismais dos fieis presentes.




Feliz e santa Páscoa!

Que o Cristo, luz do mundo, renove nossos corações!



Confira mais fotos em nossas redes sociais:



Fotos: PASCOM Bueno Brandão e Natália Oliani (vide descrição da foto)

Comentarios


bottom of page