Vós sois meus amigos

Atualizado: 27 de set. de 2021


Jesus nos chama de amigos. Esta é a relação que Cristo espera estabelecer com cada um de nós. Contudo, se faz necessário pontuar esta amizade, ou seja, esclarecer com base nas próprias palavras de Jesus, os critérios para sermos considerados verdadeiramente

amigos de Deus.


Infelizmente, muitas vezes, as relações de amizade estabelecidas entre seres humanos são baseadas em interesses particulares, troca de favores, reconhecimento por parte da sociedade, poder, enfim.


Critérios egoístas que não criam laços duradouros de proximidade e cumplicidade. Todavia, para Jesus, a amizade precisa ser baseada em distintas características. Ele afirma: “Vós sois meus amigos, se fazeis o que vos mando. Já não vos chamo servos,

porque o servo não sabe o que faz seu senhor. Mas chamei-vos amigos, pois vos dei a conhecer tudo quanto ouvi de meu Pai” (Jo 15,14-15). Jesus destaca 2 atributos fundamentais para obter a sua amizade: obediência e conhecimento.


Deus é nosso amigo. Deseja ser nosso amigo. Porém, existe um abismo de distância entre a sabedoria de Deus e a nossa. Ora, Deus sabe aquilo que é o melhor para cada um de nós, assim como um Pai sabe o que é melhor para um filho. Portanto, cabe a nós obedecer. Obedecer de forma integral e irrestrita, na certeza filial de que os planos Dele são melhores que os nossos. Obedecer à exemplo do próprio Jesus, que obedeceu até a morte, e morte de cruz (Fl 2).


E como nos é difícil obedecer. Culturalmente somos influenciados à revolta, à revolução. Muitas vezes observamos a oposição pela oposição. Mesmo diante do desconhecimento de determinado assunto ou situação, muitos se colocam contrários pelo simples fato do direito de opinar e de ser avesso. Em tempos de redes sociais é comum todos terem opiniões bem concretas sobre todo e qualquer assunto, como se fossem especialistas longevos. Ao olharmos para Jesus percebemos uma postura bem diferente. Fazer a vontade de Deus é o que o move e motiva para cumprir o que lhe foi confiado: “Disse-lhes Jesus: ‘Meu alimento é fazer a vontade daquele que me enviou e cumprir a sua obra’” (Jo 4,34).